Pesquisar este blog

segunda-feira, dezembro 07, 2015

Carrancas - ou vencendo distâncias naquelas lonjuras.

De cada vez que pedalo pelas terras de Minas Gerais menos compreendo a façanha de 7 amigos: João Bosco, Dunga, Pedrão, Peixe, Nilson, Edinho e Reginaldo, que andaram 1.200 km pelas estradas mineiras. Por sua formação geológica, esse meio do Brasil tem raros trechos de estradas plainas, 

o comum são subidas desgastantes e descidas violentas.

É pedra para todo lado que se olha, dos altos das serras, 

ao leito dos ribeiros, 

ao chão dos caminhos, salpicados de pedrinhas erodidas dos grandes granitos,

que até são usadas para fazer móveis,

os homens primitivos usavam como murais

e, num lugar assim até o rosto do ciclista vira uma máscara pétrea.

Vencer distâncias naquelas lonjuras requer um tempo muito maior do que por aqui. Não adianta falar: vou fazer 70km em 5 horas, como é por aqui, lá a noite cai e ainda não chegamos ao destino.


Gosto de pedalar e por mim estaria cercado de amigos trocando ideias e fazendo brincadeiras, mas quando não se encontra um então o jeito é rodar sozinho. Para ocupar a mente enquanto os pés forçam automaticamente os pedais, gosto de pensar um tema, um assunto, filosofar. Também descobri que a prática de rezar o Rosário nos faz um imenso bem. Tudo isto eu fiz, mas quando as sombras da noite desciam e não chegava à Carrancas, encontrar assim, como se fossem colocados por Deus naquela lugar, dois ciclistas sorridentes foi o coroamento do pedal de sábado, 5/12/2015.
     

Um comentário:

Gilberto Coelho disse...

Fomos nós a receber o presente. Sua fibra, garanto, nos motivará para sempre. Saliento, ainda, o fato de que poucas práticas esportivas podem propiciar momentos como o que vivemos naquele dia.

Forte abraço,

Gilberto.